Coprocessamento de Resíduos

Coprocessamento de Resíduos

Coprocessamento de Resíduos

Quarta Unidade de Negócios da Fundação Proamb

 

A Fundação Proamb colocou em operação o primeiro projeto de coprocessamento de resíduos sólidos industriais do Rio Grande do Sul sob licença expedida pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam).

A Proamb produz, em sua unidade fabril instalada no município de Nova Santa Rita, região metropolitana de Porto Alegre (RS), blend (mistura) de resíduos sólidos com poder de inflamabilidade. O produto resultante é usado como combustível nos fornos de fabricação de cimento de sua parceira, na unidade de Candiota (RS).

O projeto é uma parceria entre a Fundação Proamb e a Intercement. Ele foi oficializado em 2010 e desde então vem sendo desenvolvido com os objetivos de oferecer uma alternativa nobre no Rio Grande do Sul para a destinação final dos resíduos sólidos industriais com características de inflamabilidade e disponibilizar ao mercado uma solução para esses tipos de materiais, que estão proibidos de serem destinados para aterros industriais pela portaria 16/2010 da Fepam.

A unidade de blendagem da Proamb, que tem capacidade, de processar 3.000 toneladas/mês, traz várias inovações para o mercado de coprocessamento do país, pois apresenta uma linha de produção completa destinada a fabricar combustível a partir de resíduos sólidos industriais e não apenas uma linha de destruição desses materiais, conferindo assim, uma qualidade superior ao material produzido. O blend será encaminhado para a unidade de Candiota/RS da Intercement substituindo combustível nos fornos de fabricação de cimento. As cinzas serão incorporadas ao cimento, evitando a geração de passivos ambientais.

 

Conheça os diferenciais da Unidade de Coprocessamento da Fundação Proamb

* Conceito de uma linha de produção. O material recebido é processado por diversos equipamentos em série, para garantir que o blend final atenda as especificações de qualidade, aumentando o aproveitamento energético dos resíduos;

* Oferece uma avaliação quali-quantitativa inicial dos resíduos, que permite identificar se o mesmo é passível de coprocessamento, conforme legislação vigente, viabilizando ao cliente agilidade e um menor custo;

* Laboratório próprio para acompanhamento do processo de fabricação do blend e atendimento às especificações, garantindo segurança e controle aos clientes.

* A unidade conta com software para controle da rastreabilidade do resíduo, desde a sua entrada na planta até a destruição térmica nos fornos de cimento, que permite identificar em que estágio do processo o resíduo se encontra até a sua destruição final;

* Certificado de destruição térmica emitido pela própria cimenteira, para assegurar a destruição definitiva do resíduo.

Resíduos coprocessáveis, conforme a Portaria 16/2010

- Borras oleosas, borras de processos petroquímico, borras de fundo de tanques de combustíveis e de produtos inflamáveis;

- Elementos filtrantes de filtros de combustíveis e lubrificantes;

- Solventes e borras de solvente;

- Borras de tintas a base de solventes;

- Ceras contendo solventes;

- Panos e estopas;

- Serragem;

- EPIs;

- Elementos filtrantes e absorventes contaminados com óleos lubrificantes, solventes ou combustíveis (álcool, gasolina, óleo diesel, etc);

- Lodo de caixa separadora de óleo com mais de 5% de hidrocarbonetos derivados de petróleo ou até 70% de umidade;

- Solo contaminado com combustíveis ou com qualquer um dos componentes acima identificado.

Resíduos não coprocessáveis, conforme a Resolução Consema 02/2000

 - Resíduos domésticos brutos e de estabelecimentos de serviços de saúde;

 - Radioativos;

 - Substâncias organocloradas;

 - Agrotóxicos;

 - Explosivos e Aerossóis.

+55 (54) 3055.8700 / 99109.1113 / 99128.6149 - proamb@proamb.com.br

© Todos os Direitos Reservados 2013 | Fundação Proamb